gestão unificada de dados

Gestão unificada de dados: saiba como isso vai apoiar o atendimento à LGPD

Atualizado em: 07/04/2020

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGDP), sancionada pela Presidência da República em agosto de 2018, traz novas regras que afetam todas as atividades que envolvem a utilização de dados pessoais em empresas brasileiras. As regras buscam proteger os dados contra vulnerabilidades e vazamentos e as empresas 2021 para se adequarem às novas normas.

Inspirada na GDPR (General Data Protection Regulation, europeia), a LGPD inclui modificações relevantes ao tratamento de dados pessoais no Brasil, entre eles:

Consentimento: requisitos específicos para consentimento, que deve consistir numa manifestação prévia, livre, informada e inequívoca, para um fim específico, podendo ser revogado a qualquer tempo.

Direitos do titular dos dados: direito de obter confirmação da existência de tratamento de seus dados; acesso, correção, anonimização, bloqueio ou eliminação de dados; portabilidade dos dados a outro fornecedor de serviço ou produto; informação das entidades com as quais o controlador realizou uso compartilhado de dados; informação sobre a possibilidade de não fornecer consentimento e sobre as consequências da negativa; bem como a revogação do consentimento fornecido.

Requisitos: o tratamento de dados pessoais só é permitido com o consentimento do titular, para fins de cumprimento de obrigação legal ou regulatória, quando necessário para a execução de contrato, ou quando necessário para atender aos interesses legítimos do controlador dos dados ou de terceiros;

Data Protection Officer: necessidade de empresas nomearem um “encarregado” pelo tratamento de dados pessoais e para adoção de medidas de segurança e proteção de referidas informações.

Uma nova relação entre empresa e consumidor

A entrada em vigor da LGPD obriga as empresas a oferecerem aos seus clientes uma total transparência sobre o uso e o total controle sobre os seus dados, exercendo seus direitos de proprietários. O objetivo agora vai além de ganhar competitividade obtendo insights de uma visão única dos clientes e oferecendo experiências personalizadas em toda a sua jornada. É preciso ganhar a confiança do cliente e garantir que todos os engajamentos estejam em conformidade com o seu consentimento e permissões para o tratamento dos seus dados pessoais.

A infraestrutura de TI das empresas precisa entregar a capacidade de usar um ponto único para acessar todos os dados – transacionais, analíticos, estruturados, não estruturados, em soluções baseadas em nuvem.

Mas como será que as empresas estão encarando a esse novo desafio? Segundo uma pesquisa da empresa de certificação digital Serasa Experian, que ouviu 508 empresas em todas as regiões do Brasil, um dos indicadores aponta que a chegada deste referencial legal trará contribuição positiva, seja para a melhoria ou o fortalecimento da transparência e da segurança da informação, uma vez que a maioria das companhias entrevistadas afirmou que irão rever os processos que asseguram a qualidade dos dados.

A pesquisa também apurou o grau de conhecimento das empresas sobre as normas, o que certamente irá direcionar as ações para adequação à LGPD, indicando que 66% das empresas

participantes afirmaram que seu conhecimento sobre a lei é médio. Esse indicador sobe à medida que o porte da empresa aumenta: 81% das companhias com mais de 1.000 funcionários declararam ter conhecimento alto ou mediano sobre a nova regulamentação. Entre as pequenas empresas (até 5 funcionários), 28% têm pouco ou nenhum conhecimento a respeito da legislação. Segundo a pesquisa, 65% das empresas disseram estar preparadas para atender ao que a LGPD estabelece.

Como manter a conformidade?

Para manter a conformidade é preciso contar com uma solução de gestão unificada de dados, assegurando que as preferências e o consentimento para coleta e tratamento de dados pessoais sejam aplicados de modo consistente em todo o ciclo de vida do cliente, em todos os canais, marcas e regiões por meio de orquestração e governança de dados centralizadas, simples e seguras, como a oferecida pela SAP, a solução Customer Data Cloud, que permite fazer a gestão dos dados em um único lugar, independentemente de onde estejam armazenados.

Com a gestão unificada dos dados, a empresa fortalece a confiança do cliente, oferecendo um centro de preferências com autoatendimento, onde o consumidor irá gerenciar todos os aspectos de relação com a marca, com total controle do seu perfil, preferências, consentimento e informações da conta. Assim a empresa gerencia a conformidade em cada ponto de contato, armazenando o controle das versões de registros de consentimento e atendendo aos direitos do titular dos dados previstos na LGPD, como, por exemplo, cumprir a norma que determina que as empresas só poderão enviar um e-mail marketing caso ela tenha dado permissão para utilizarem o seu endereço de e-mail.

Esse repositório centralizado permite:

  • Capturar dados de consentimento e preferência do cliente em um armazenamento de dados centralizado e pesquisável;
  • Acessar um histórico de consentimento e preferências de sete anos para atender auditorias e solicitações de clientes;
  • Sincronizar dados da estrutura tecnológica para impor opções de consentimento em todas as marcas, canais e regiões.

Além disso, a gestão unificada de dados permite que a empresa esteja sempre pronta para auditorias, coletando, armazenando e monitorando registros de preferência e consentimento em um repositório central. Assim, os administradores terão acesso ao histórico completo para atender as auditorias regulatórias.

Diante desse novo cenário, está mais do que na hora da sua empresa avaliar as vantagens de contar com uma gestão unificada de dados, e proteger o negócio oferecendo privacidade e controle em todas as marcas, conquistando a confiança dos clientes e mantendo a conformidade com a LGPD.